Silvia Cristina vota a favor de tirar COAF de Moro e sofre ataque nas redes sociais

Outros três deputados federais de Rondônia estavam ausentes da Sessão. Os demais votaram contra

Por PabloFerreira 23/05/2019 - 12:14 hs

RONDÔNIA - A deputada federal Sílvia Cristina (PDT-Rondônia) despertou a fúria das redes sociais na noite desta quarta-feira ao votar a favor de retirar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) das mãos do ministro da Justiça, Sérgio Moro. O voto da deputada atende  a um desejo de parlamentares flagrados pela Lava Jato e que queriam se vingar do ex-juiz federal e atual ministro da Justiça.

 

 

Dos oito deputados federais de Rondônia, somente Silvia Cristina votou favorável à retirada do Coaf de Moro. Coronel Chrisóstomo (PSL), Expedito Netto (PSDB), Léo Moraes (PODEMOS) e Mauro Nazif (PSB) que também compõem a Bancada Federal do estado votaram a favor da permanência do COAF com o Ministro Sérgio Moro. Já Jaqueline Cassol (PP), Mariana Carvalho (PSDB) e Lúcio Mosquini (MDB) estavam ausentes.

 

Em entrevista ao Jornal Nacional há alguns dias, o ministro antecipou o que aconteceria se o Coaf saísse do controle do Ministério da Justiça:

 

“Em matéria de segurança pública e enfrentamento ao crime organizado, a integração é tudo. Nós, então, entendemos que o Coaf é um órgão extremamente importante para a prevenção da lavagem de dinheiro. E isso vai facilitar a integração principalmente com os órgãos policiais e do Ministério Público. Assim, isso vai facilitar o enfrentamento a lavagem de dinheiro, ao crime organizado e a corrupção. Essa é a ideia. O presidente Bolsonaro, assim como eu, nós respeitamos a decisão do Congresso. Nós estamos respeitosamente querendo convencê-los de que o melhor lugar para o Coaf é aqui no Ministério da Justiça. Agora, evidentemente, a decisão é dos parlamentares”.

 

Nessa quarta-feira, Sílvia Cristina e mais 227 colegas decidiram que o Coaf deve sair do controle de Sérgio Moro. Outros 210 parlamentares votaram por manter o órgão sob o comando do ex-juiz federal, que se notabilizou por mandar para a cadeia vários corruptos envolvidos na Operação Lava Jato.

 

O Coaf é essencial para o rastreamento de fluxos de dinheiro ilegal. Com o avanço da tecnologia digital e a elevada informatização do sistema bancário do país, o conselho, criado em 1998, se converteu em ferramenta básica na segurança pública.

 

MORO LAMENTOU

Sergio Moro lamentou a decisão do plenário da Câmara que transferiu o Coaf para o Ministério da Economia.

 

“Sobre a decisão da maioria da Câmara de retirar o Coaf do Ministério da Justiça, lamento o ocorrido. Faz parte do debate democrático. Agradeço aos 210 deputados que apoiaram o MJSP e o plano de fortalecimento do Coaf”, disse ao O Antagonista.

 

A devolução do Coaf para o Ministério da Economia enfraquece o poder investigativo do órgão, de acordo com especialistas em combate à corrupção.

 

Fonte: O Antagonista/Rondonoticias